“A SÉRIE DIVERGENTE: ASCENDENTE” NÃO SERÁ DIRIGIDO POR ROBERT SCHWENTKE CORRE! ASSISTA AO TRAILER FINAL DE “CONVERGENTE” + PRIMEIROS SPOTS SHAILENE WOODLEY, THEO JAMES E MILES TELLER FALAM SOBRE TERCEIRO FILME EM ENTREVISTA CONFIRA IMAGENS INDIVIDUAIS DOS PERSONAGENS EM “CONVERGENTE” E NOVO PÔSTER DO FILME VEM VER! NOVOS STILLS INCRÍVEIS DE “CONVERGENTE” SÃO DIVULGADOS
08.03 Precisamos falar sobre “A Série Divergente: Convergente”. Saiba o que achamos do filme!

postcritica

Segura o coração e vem saber o que achamos sobre A Série Divergente: Convergente, que estreia nesta quinta-feira, dia 10, nos cinemas brasileiros.

Hoje (8) nossa equipe foi conferir o longa na cabine de imprensa da Paris Filmes e quando sentamos na poltrona, realmente não sabíamos o que esperar.

Divergente e Insurgente foram ótimos filmes, Divergente se saiu muito bem como adaptação e filme solo, já Insurgente, foi incrível como filme solo mas se for levar a fidelidade do livro, não. As mudanças foram necessárias para atingir a massa como um filme de ação e o resultado podemos conferir na bilheteria, que ultrapassou Divergente, agradando o público.

Mas eu, Matheus, não estou aqui para falar sobre os outros filmes, né? Vamos ao que interessa e comentar sobre Convergente. Lembrando que a matéria será superficial e sem spoilers, caso queiram, depois posso voltar e dissertar o filme inteiro.

Convergente é marcado pela evolução e continuidade da franquia. Sob a direção de Robert Schwentke, o longa começa exatamente onde Insurgente terminou e narra o nosso grupo favorito lutando para saber o que há além do muro. A premissa da história vocês já sabem, então vamos direto aos pontos e para não ficar algo cansativo de ler, como um texto corrido, vou separar em tópicos o que vocês precisam saber ANTES de conferir Convergente nos cinemas:

Arrisco dizer que a fotografia de Convergente é a melhor até agora da franquia. E olha que é difícil superar todos aqueles efeitos de Insurgente (o que Convergente não tem). As cenas fora do muro são incríveis e podemos ver que investiram muito bem na produção.

Sim, você vai estranhar com as mudanças feitas, mas segue sim a essência e linha do livro, só não podemos assistir achando que será igual, né? Já levamos um tombo em Insurgente, então vá com a mente aberta que com certeza você vai gostar se não ligar para a adaptação.

Atuação dos atores segue incrível. Shailene Woodley como sempre demonstra com muita determinação o motivo por qual foi escolhida para viver Tris Prior nas telonas. Theo James, nosso Tobias Eaton, com certeza está em seu melhor momento na franquia, mostrou seus dotes de luta que só ele sabe demonstrar como ninguém. Naomi Watts (Evelyn Eaton) teve muito mais o que nos mostrar e pelo menos eu confirmei o que eu já sabia: atriz de peso e magnífica para o elenco. Temos que destacar também nossos veteranos Octavia Spencer (Johanna), Ansel Elgort (Caleb), Zoë Kravitz (Christina), Miles Teller (Peter) e Jonny Weston (Edgar), que foram essenciais na trama.

Johanna, enfrenta Evelyn sem medo. Caleb, mostra um lado altruísta na questão familiar que nunca vimos antes. Christina, prova que a amizade com Tris pode ser verdadeira mesmo se uma matar o namorado da outra (rs). Peter, rouba a cena com suas piadas e humor, merece palmas. Edgar, só serve pra atrapalhar mesmo. Mas uma vez eu tenho que ressaltar: QUE. ELENCO. A atuação é de outro nível. Temos sorte de ter um cast tão talentoso!

Se prepare para duas voltas que vai tirar o seu fôlego: Ashley Judd (Natalie Prior) e Ray Stevenson (Marcus Eaton).

Como já postado, o soro da memória é realmente um ápice no final do filme, mas é muito mais que apenas a liberação.

O filme é tensão atrás de tensão. Arrepio atrás de arrepio. Apesar de alguns furos, o roteiro não é cansativo e consegue te prender do início ao fim.

Não é só pelo simples fatos de sermos fãs que não temos olhar crítico, certo? Mais um vez, volto a reclamar de um ponto muito fraco que também aconteceu em Insurgente: a trilha sonora. Deixa muito a desejar por apenas ter a trilha instrumental, que sim, é muito boa e te deixa mais nervoso e ansioso ainda, mas em Divergente tivemos várias músicas nas cenas que ficaram muito melhores. Convergente segue a mesma linha e só temos a música principal no final. Divergente nosso coração bateu mais forte com Beating Heart (Ellie Goulding), Insurgente seguramos o choro ao som de Holes In The Sky (M83 ft. Haim) e agora em Convergente, temos o single INCRÍVEL que é Scars (Tove Lo) e se encaixou muito bem.

Voltando ao assunto dos atores, é ÓBVIO que tenho que falar do novo time de elenco, Bill Skarsgård (Matthew), Jeff Daniels (David) e Nadia Hilker (Nita) que ao contrário de Insurgente, no caso de Marlene, Uriah, Lynn e Hector, os novos personagem de Convergente tiveram muito destaque, e isso me deixou animado pois souberam aproveitar o talento dos atores.

O filme explica muito sobre o mundo além do muro e os geneticamente puros e geneticamente danificados. Introduz o assunto de uma forma clara e objetiva.

Se você acha que já sabe a história completa, está muito enganado. São MUITAS cenas de arrepiar que complementam um roteiro digno. As lutas de ação são INTENSAS e muito bem feitas.

A relação de Tris e Quatro continua uma explosão de sentimentos. Eu amo a química entre Shai e Theo, eles se completam quando entram em cena. Gosto de #Fourtris pelo simples fato de lutarem juntos por uma causa, de terem brigas assim como qualquer outro casal e mais que isso, terem amor incondicional um pelo outro.

O desfecho do filme encaixou perfeitamente e temos o gancho para a continuação.

O diretor de #Ascendente tem que ser muito bom pra fazer com que o filme seja um sucesso e tenha um final satisfatório. Vocês vão entender.
São tantas coisas para falar que vou parar por aqui e não contar tudo! Vocês precisam assistir! Depois voltamos aqui e podemos debater mais abertamente, fechado?

“É isso o que fazemos pela família”, – Convergente (filme)

O falso se torna verdadeiro? O verdadeiro se torna falso? Em quem devemos confiar? Tris será a grande e mais nova heroína da franquia?

Descubra tudo isso em A SÉRIE DIVERGENTE: CONVERGENTE, 10/03 nos cinemas.


Postado por: Matheus Fabbris //

Convergente

COMENTÁRIOS:
  • Triburgent Shadowhunters

    bem vou ter que apenas ler mesmo, porque ver o filme mesmo, nem sei quando :/

  • Fernando

    Gente! Eu amei esse post, mas apesar de não ter muuuuita importaoncia… eles explicam a evolução do cabelo da Tris? Kddkdkak

  • Larissa

    OMG! Já to com dor de barriga de ansiedade!!!

  • Ja chegou dia 10 ?

  • Eu gostei do primeiro livro e do primeiro filme, mas Insurgente foi uma decepção tanto em livro e muito pior no filme que é extremamente desequilibrado e chato. Eu gosto do mundo que a autora criou e li o terceiro livro da saga e apesar de achar arrastado, acho que o fechamento foi descente e agradável. Quando vi Convergente nos cinemas, vi que o filme ficou melhor que o livro e de certa forma adaptou o 3° livro da série inteiro. Não sei que rumo vai tomar o último filme, mas espero que a protagonista tenha o mesmo desfecho. Acho importante respeitarem esse final da Tris.

  • Ana Lisbôa

    Assisti ao filme ontem, mas, me decepcionei um pouco, esperava um pouco mais de romance de #fourtris e também esperava um pouco mais da história..

  • Viviane Santos

    Olha tem que ir com uma mente beeeeeem aberta mesmo, o filme deixou a historia do livro quase que irreconhecível e não foram mudanças sutis não, como um pouco mais em Divergente do que Insurgente. Tive momentos no filme que parei para me perguntar, como a autora do livro que pode acompanhar as gravações e avaliar as cenas do filme pode ter deixado lançar isso? A obra dela foi inteiramente modificada, me perguntei onde foi parar aquela obra linda, muito mais que apenas um romance, uma filosofia pra vida sobre altruísmo, sacrifícios, coragem e familia? Descordo do que o Matheus disse, acredito que o objetivo do filme continuo o mesmo que do livro, mas a essência foi completamente perdida, distorcida ao máximo e virou um show de efeitos especiais incluídos onde não há nos capítulos do livro.
    Sou uma mente aberta para adaptações e sei que são necessárias quando viram filmes, mas Convergente ultrapassou o limite da obra, da adaptação e da aceitação.

    • A essencia do livro está no filme só mudaram a forma de contar a história. Os efeitos especiais estão muito bons e quase acreditamos que não são adicionados
      Não discordo das mudanças que os realizadores fizeram mas discordo totalmente de fãs com mente fechada. A gente vai ao cinema ver um filme inspirado no livro e não vamos ver se é tudo igual ao livro. Muita coisa escrita em convergente não funciona no ecrã e é isso que teem de perceber

  • Paula Watson

    Só a trilha sonora que foi ruim? Pra mim uma das únicas coisas boas foi a trilha sonora…
    Fui toda animada pro cinema, e me decepcionei muito… A química entre Tris e Quatro é praticamente inexistente, e acho que foi a pior atuação até agora dos dois. Eu tento ser bastante mente aberta, e mesmo quando mudam a história do livro, se ela fica boa, eu não reclamo… Mas dessa vez, por mais que tenham mudado o final com vocês-sabem-o-que, a história ficou muito solta, muito sem explicação, sem explicar a motivação dos acontecimentos… Meu namorado que não leu o livro, ficou meio perdido.
    Enfim, esperava MUITO mais desse ultimo filme… me desapontou muito esse desfecho. Pra mim ja deu, ja estragaram demais… tomara que não queiram retomar com um outro.

  • Cadê a notícia de que o filme flopou e vão cortar o orçamento do último? Eu li os livros e gostei muito do primeiro, mas os outros dois não curti muito não. Dos filmes o primeiro é o melhor e o segundo é ruim, mas gostei desse terceiro mais do que o livro. Só acho que fizeram tudo errado nessa franquia… não souberam divulgar, não souberam aproveitar o talento dos atores por completo, não encontraram alguém bom o bastante pra fazer a franquia funcionar. Todos os filmes sofrem dos mesmos problemas de roteiro e direção, mas a Lionsgate só quer saber de fazer dinheiro e não cuida do que realmente importa. O resultado é que cada vez mais os filmes obtêm menos lucro, mais críticas negativas e mais rejeição do público. Infelizmente a franquia vai terminar nos cinemas sem evoluir ou se tornar memorável.

    • johnwillax

      Essa notícia infelizmente não vai aparecer aqui, apesar de eu achar válido, já que como o próprio site diz, é um fã site, que aborda tudo envolvendo a franquia! Algumas matérias notamos o exagero nos pontos positivos e a camuflagem de pontos negativos. Entendo que é bacana falar e se focar só de coisas boas, mas se a franquia apresenta falhas, seja nos filmes, seja nos livros, é necessário abordar.

  • Iara Mendes

    Genteee!!! Assisti o filme…
    Não me considero fã do filme, embora assisti todos e li o livros (por curiosidade mesmo!)
    Não sei se é porque li muitas críticas dizendo que o filme estava ruim e fui assistir com baixa expectativa, mas amei!
    Claro que tem muita coisa diferente do livro, ainda assim valeu a pena.
    Muito dos comentários, inclusive, sobre a relação Quatro e Tris, estavam certas, porém eu creio que mesmo sem tanto ‘romance’ a história dos dois continua linda…
    A mensagem do filme continua linda!
    Já ansiosa pelo próximo! =)

  • johnwillax

    Honestamente eu curti o filme, curti mais que Insurgente, inclusive. Divergente e Insurgente li em uma semana, Convergente eu li em um mês, porque não aguentava mais as briguinhas idiotas entre Tris e Tobias por motivos toscos, toda a enrolação sobre GD e GP, que foi muito arrastada e custei a terminar, fazendo como uma ‘obrigação’. Já o filme não, o filme me prendeu do início ao fim, é dinâmico, fluido e bem objetivo. Não teve enrolação, explicou de uma forma bacana quase todo o livro e na maioria das cenas, por mais diferente que estivessem, notei a essência do livro nas mesmas. Achei ótima a explicação sobre os danificados e os puros e por mais que tivessem excluído diversos personagens essenciais na trama, deu pra entender, é uma adaptação! Mas o filme teve suas falhas, e eu nunca senti tanta vergonha alheia como na cena deles voando nas bolhas de plasma! Tanto que soltei uma enorme gargalhada no cinema, de tão ridículo que foi aquilo, foi tosco, desnecessário e muito bizarro. Mas de um modo geral, foi mais interessante que Insurgente, os cenários me empolgaram bastante, as atuações e arrisco a dizer que esse filme foi do Quatro, ele foi o protagonista. Foi um risco tornar a trama mais futurista e agora é esperar quase um ano e meio até Ascendente, e torcer, pra que sigam o final do livro, pelo menos isso, pra fechar de uma forma digna, já que a lambança foi feita e a bilheteria está aí pra mostrar o resultado!